Do céu ao inferno: o que levou Abel Braga a pedir demissão no Fluminense


Fortemente identificado com o Fluminense, Abel Braga foi o escolhido por Pedro Abad para assumir a equipe em dezembro de 2016. Um ano e meio após sua chegada, ​o treinador ‘pediu o boné’ e findou sua terceira passagem pelas Laranjeiras.

Mas o que motivou Abel à romper o trabalho? Mesmo com quatro derrotas consecutivas, era bastante improvável que a diretoria tricolor optasse pela demissão do comandante, adorado pelo elenco e respaldado por grande parte da torcida do Fluminense, protagonista de homenagens emocionantes após a triste tragédia doméstica envolvendo o filho de Abel.

Como explica o ​UOL Esportes, a passagem do treinador, marcada por grandes momentos como a conquista da Taça Guanabara em 2017 e da Taça Rio em 2018, acabou sucumbindo ao instável e efervescente bastidor político do clubeImpotente diante da recheada barca de jogadores montada pela cúpula tricolor no início do ano, com Henrique, Ceifador, Scarpa e outras referências técnicas, Abel ficou de mãos atadas

Sem reposições à altura e testemunhando constantes atrasos salariais, o treinador ainda perdeu um de seus principais aliados: Paulo Autuori. Gota d’água para o treinador, após 563 dias comandando o Tricolor Carioca.

​​

​​

Link da notícia original: Do céu ao inferno: o que levou Abel Braga a pedir demissão no Fluminense