BLOG: Ultrapassagens, 4-1-4-1 e futebol vertical: como joga o Fluminense de Abel Braga

siga e converse com o autor no twitter: www.twitter.com/leoffmiranda

e curta a fanpage do Painel Tático:  http://www.facebook.com/paineltatico   

 

São 10 jogos na temporada, com 8 vitórias, 1 empate e apenas uma derrota. Ao todo, apenas 6 gols sofridos e 23 marcados, números que fazem do Fluminense de Abel Braga uma das melhores equipes do início de ano no Brasil. Se o técnico prometeu devolver a “alma guerreira” ao Fluzão, o Tricolor vem jogando com ofensividade – ainda que o nível técnico dos adversários não permita uma análise mais precisa.

 

A base da equipe vem de um 4-1-4-1, com Orejuela sendo o “1” e Sornoza e Douglas alinhados a Scarpa e Richarlison (ou Marcos Júnior) na linha de 4 meias atrás de Henrique. Como é marcante de Abel, o Flu propõe o jogo: avança linhas, troca passes no campo do adversário e busca as triangulações pelos lados, o trabalho de costas de Henrique e os cruzamentos de Léo e Lucas. É um jogo orientado para trabalhar a bola e finalizar na área – portanto, um jogo bem vertical. VEJA O VÍDEO:[embedded content]

 

Essa verticalidade do Flu é acompanhada de alguns mecanismos para trabalhar a bola. Como os laterais avançam bastante, os meias buscam jogar por dentro, sempre com poucos toques – e para isso ganham o trabalho de pivô de Henrique Dourado, bem participativo nessa construção das jogadas. Assim, o Flu é um time de ultrapassagem: toca, já tem opções infiltrando e tenta o passe. Se não funciona, usa os cruzamentos a seu favor – o que explica bem o crescimento de  Lucas e Léo, laterais com muita técnica, mas que nem sempre tomam boas decisões.
Se esse primeiro mês do Flu em 2017 tem um destaque, o nome dele é Orejuela: o venezuelano vem fazendo bem a função de “1” do 4-1-4-1.  É dele o primeiro passe, buscando a bola dos zagueiros, construindo com o setor de frente e arriscando alguns passes mais verticais. Num futebol com cada vez menos espaço, é muito importante que a qualidade no passe venha desde os zagueiros – e Orejuela se destaca por tomar boas decisões tanto no quesito ofensivo, como no defensivo.
Sem a bola, o Flu se alinha no 4-1-4-1 e vem marcando por encaixes no setor – algumas vezes mais longos, o que gera espaços geralmente não aproveitados. Se não vem tendo muita intensidade nas ações, o Flu compensa com um futebol “solto”, de velocidade e orientação ofensiva. Uma surpresa, dado o status no qual acabou 2016 – e que tem tudo para fazer diferente do ano passado.

Link da notícia original: BLOG: Ultrapassagens, 4-1-4-1 e futebol vertical: como joga o Fluminense de Abel Braga