Com bastidor fervendo, dirigentes do Flu se “afastam” dos problemas


​O Fluminense está em pré-temporada nos Estados Unidos, mas boa parte dos problemas a serem resolvidos de forma urgente se encontram no Brasil. Por isso, o bastidor do clube ferve. A ausência de dirigentes nas Laranjeiras, segundo o ​Uol, é questionada até mesmo por quem precisa firmar algum tipo de tratativa.

O presidente ​Pedro Abad se encontra na Flórida junto com a delegação, assim como o executivo Marcis Vinícius Freire, contratado justamente para tomar conta deste tipo de “pepino”. Diogo Bueno, vice-presidente de finanças e responsável direto pela ideia de mandar oito atletas embora de uma vez só por conta de uma reestruturação financeira, está de férias com a família. Já Miguel Pachá, do jurídico, viajou por conta própria para acompanhar os trabalhos em solo norte-americano. Por sua vez, o vice-presidente de futebol Fabiano Camargo não dá as caras com a justificativa de estar tratando de assuntos internos estratégicos.

Nos últimos dias, é bomba em cima de bomba. Gustavo Scarpa conseguiu liminar na Justiça para deixar o Flu por conta de pagamentos atrasados. Os representantes do zagueiro Henrique não gostaram do modo como as tratativas para quebra de vínculo se encerraram – os dirigentes queriam deixar tudo “de boca” ao invés de colocar o acordo no papel – e entraram com uma ação cobrando dívidas. A ausência de um representante com poder de mando também não caiu bem no estafe de Diego Cavalieri, outro que foi buscar seus direitos judicialmente. Institucionalmente, o Flu está abalado, com opositores políticos cobrando providências. Só que não adianta nada tentar alguma reviravolta se alguém não tiver capacidade de dar solução imediata a algumas questões para lá de importantes.

Link da notícia original: Com bastidor fervendo, dirigentes do Flu se “afastam” dos problemas